Sem categoria

Zonas Francas – Investidores ameaçam deixar o Paraguai por causa da insegurança jurídica

Uma das indústrias localizadas em Cidade do Leste, suspendeu hoje (15) a produção, por causa da cobrança de tarifas. Outra, já demitiu funcionários e diminuiu a produção

imagem: AsCom Zona Franca Global

Com a entrada em vigor do Acordo do Mercosul 33, produtos oriundos das indústrias instaladas nas Zonas Francas do Paraguai não estão mais recebendo o certificado de origem e, uma vez exportados para o Brasil, que é maior mercado do setor, passaram a ser tarifados em até 25%.  

Para o Ministério da Indústria e Comércio do Paraguai a melhor alternativa para os empresários seria passar a operar no sistema de maquila, um regime do governo que prevê a isenção de inúmeros impostos.

O problema é que a maioria dos empresários não sente segurança para investir já que, de acordo com eles, o sistema de maquila perderá a validade em 2023.

Os investidores que atuam nas Zonas Francas, pedem que o governo paraguaio negocie a continuidade do sistema de maquila e ajude a melhorar as condições para potencializar as zonas francas, oferecendo incentivos aos investimentos. Também querem que o Ministério negocie com os membros do Mercosul uma nova regulamentação que não afete a produção das indústrias da região.  

Suspensão na linha de produção

Nesta quarta (15) a IPP, Indústria Paraguaia de Papéis, suspendeu as atividades devido ao imposto de importação cobrado pelo governo Brasileiro. O jornal ABC Color, informou que a empresa vinha diminuindo a produção desde o fim do ano passado já prevendo a cobrança do imposto. De acordo com o jornal, o empresário garantiu que não volta a produzir enquanto o certificado de origem de zona franca não for aceito aqui no Brasil.

Na fronteira

As duas zonas francas do Paraguai estão instaladas em Cidade do Leste: a Zona Franca Global, no km 11,5, e a Zona Franca Internacional, no km 10.

imagem: AsCom Zona Franca Global

No total, abrigam 40 indústrias que produzem entre outros produtos, alimentos, plásticos, cabos, móveis, estruturas de concreto, papel, componentes metálicos e roupas, que abastecem, na grande maioria, o mercado brasileiro. Além disso, muitos brasileiros trabalham nas indústrias que geram no total, 3.500 empregos diretos.  

Com informações de abc.com.py e Assessoria de Comunicação da Zona Franca Global

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *