Sem categoria

Com escritório fechado em Curitiba, Itaipu unifica atividades em Foz do Iguaçu.

Escritório da Itaipu em Curitiba está definitivamente desativado a partir de hoje. (Foto:Romeu de Bruns)

Quando for necessário, a usina usará a estrutura cedida pelo Governo do Estado e pela Copel, em Curitiba.

A partir desta sexta-feira (17), a usina de Itaipu volta à sua concepção prevista em tratado binacional: manterá sedes somente nas capitais dos dois países, Brasília (Brasil) e Assunção (Paraguai), além das estruturas administrativas nos dois municípios que abrigam a usina, Foz do Iguaçu e Hernandárias.

O escritório de Curitiba já não existe mais. As atividades da binacional, até então mantidas na capital paranaense, agora estão todas concentradas em Foz do Iguaçu, para onde foram transferidos 97 empregados. O Paraguai também analisa a possibilidade de reduzir o fluxo de trabalho em Assunção e passar a atuar mais em Hernandárias.

O escritório na capital paranaense, que inicialmente funcionava apenas em algumas salas, estava abrigado num edifício alugado de 12 andares. Quando foi criado, há mais de 40 anos, o objetivo era facilitar o desembaraço de peças, equipamentos e materiais adquiridos pela usina, no mercado nacional e internacional. Também havia escritórios no Rio de Janeiro e São Paulo, desativados na década de 1990.

Com a modernização dos processos e a abertura de mercado, o cenário mudou. Hoje, com as novas tecnologias digitais, já não é necessário manter estruturas caras fora da cidade que abriga a usina. Por isso, o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, no cargo desde fevereiro de 2019, determinou o fechamento da estrutura na capital do Estado, em junho do ano passado, o que foi concluído agora em janeiro.

Em termos de custos, até 2023 Itaipu terá economizado R$ 7 milhões com a desmobilização do escritório de Curitiba. Se houver necessidade, como reuniões presenciais na capital, a binacional contará com o apoio do Governo do Estado e da Copel, com a cessão de salas.

Para o general Joaquim Silva e Luna, a concentração dos empregados no centro de comando da usina possibilitará uma melhor governança. “Nossos empregados terão as diretrizes, em tempo real, de como Itaipu chegará pronta para os desafios pós-2023, quando o Anexo C do Tratado será revisado e a dívida da usina estará totalmente quitada”, explica.

Fonte: Itaipu Binacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *