Sem categoria

O torneio, a cabrita e o churrasco!

(Foto: Pixabay)

Coisas & Causos de Foz

Os torneios no interior eram a sensação de todos os domingos e o M’Boicy sempre marcava presença. Até porque também ajudava na elaboração dos eventos, fazendo os sorteios e arrumando as súmulas e os borderôs dos jogos. Cuidava de tudo!

Tinha um menino no meio da turma, um piazinho, irmão do goleiro e de um beque do time. O apelido era Gaudérinho. Era dele a responsabilidade de tirar os nomes de uma taça na hora dos sorteios.

Nós íamos com o time principal e o Cascudo, time que dava dó de ver jogar!!!
E é claro que o velhario também comparecia em peso para jogar truco. Tinha o seo Otmar Pfeifer, o seo Ermínio Mezzomo, o Luiz Piva, o Miguel Paludo, o Nascimento Carradore, o Otavio Rotilli e mais outros véios!

Num belo domingo, no Torneio da Sanga Funda, fomos para a final tanto no futebol quanto no truco.A premiação do Truco era uma cabrita e a do futebol, duas caixas de cerveja, ou algo assim.

Primeiro foi a decisão do Truco e o M’Boicy perdeu. A turma do carteado ficou olhando o prêmio amarrado numa árvore.

Aí começou a final do futebol e, claro, todos foram assistir. Mas todos mesmo! Até quem vendia bebidas, churrasco, salgados e bolos parava para acompanhar a partida. Todos sabiam que o M’Boicy era imbatível numa final e lá não foi diferente. Acabou o jogo, saímos vitoriosos e fomos tomar umas bem geladas.

Na hora da premiação… cadê o prêmio dos vencedores do torneio de truco?
Sumiu a cabrita, com corda e tudo!! Todo mundo procurou o de cujus e nada. O bicho tinha evaporado.

Saíram todos cabisbaixos. Uns mais tristes, outros nem tanto e alguns, com vontade de rir. (?!)

Aconteceu que enquanto a turma acompanhava a partida, dois colegas nossos foram despacito até o animal. A cabrita foi amordaçada, amarrada (não necessariamente nessa ordem) e colocada no bagageiro do Opala de um deles. Claro que… todo mundo ficou quieto.

No domingo seguinte foi marcado um torneio de bocha na casa do seo Ermínio Mezzomo. Ele tinha uma baita cancha na propriedade e organizou o festerê todo. Também convidou o pessoal da Sanga Funda. Foi a festa! E que almoço! Tinha de tudo…linguicinha, galeto, costela e o cabrito.

No meio do almoço, o segredo do sumiço da cabrita foi revelado a acabou tudo num gritedo só, de tanta gargalhada. A festa só terminou quando anoiteceu.

E no domingo seguinte? Lá estava todo mundo reunido novamente… E viva os noivos!!!

Andres Cândia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *