Sem categoria

Mais de 1.900 paraguaios cumprem quarentena nos albergues do governo

Local habilitado para a quarentena obrigatória. (Foto: IP)

Mesmo com as fronteiras fechadas, os paraguaios não param de chegar a Foz. Na manhã desta quarta-feira (6), um grupo 33 pessoas aguardava no departamento de Migrações, já em território paraguaio, e pelo menos outras 50 pessoas se preparavam para deixar a aduana brasileira e tentar entrar no país vizinho.

Atualmente, 1.936 paraguaios estão cumprindo a quarentena de saúde em abrigos do governo, no país vizinho. Até agora, 2.810 pessoas entraram no país desde o fechamento das fronteiras para impedir a expansão do Covid-19.

O Assessor de Assuntos Internacionais, Federico González, relatou que dos mais de 2.800 paraguaios que regressaram do exterior, 85% entraram pela Ponte da Amizade, o ponto de fronteira com maior fluxo de pessoas.

Com falta de espaço para abrigar todos os conterrâneos, o governo do Paraguai está negociando com os sindicatos hoteleiros para utilizar os hotéis como albergues.

Infectados pela Covid-19

Nos últimos dias, foram registrados cerca de 150 novos casos de coronavírus entre paraguaios que retornaram do exterior, principalmente do Brasil. Aqueles que dão positivo nos abrigos são levados para outros espaços onde recebem outro tipo de acompanhamento médico. Atualmente, 233 pessoas estão nesses “locais positivos do Covid-19”, informou o ministro.

Na Argentina

Por causa da falta de abrigos, a chegada de compatriotas da Argentina está atrasada. São 12 ônibus, com cerca de 450 paraguaios prontos para partir para Assunção. Porém, eles precisam esperar que mais locais sejam preparados antes da chegada.

O ministro González lembrou que, no início da pandemia, havia mais de 2.000 lugares, entre estabelecimentos militares e centros privados; os últimos foram perdidos devido aos danos causados ​​durante a quarentena, lamentou.

Leia mais: https://www.ip.gov.py/ip/mas-de-1-900-personas-se-encuentran-cumpliendo-cuarentena-en-albergues-del-gobierno/

Um comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *