Sem categoria

Fronteira fechada pode representar o fim de Cidade do Leste, afirma Câmara de Comércio

O vice-presidente da Câmara de Comércio de Cidade do Leste, Juan Vicente Ramírez, afirmou que não existe alternativa imediata que possa ser aplicada para salvar a economia da região.

O vice-presidente da Câmara de Comércio de Cidade do Leste, Juan Vicente Ramírez, afirmou que o fechamento das fronteiras significará a morte de empresas da região. Ele disse também que não há alternativas imediatas para melhorar a situação.

Em uma entrevista para a Rádio Universo 970 AM, ele mencionou que “nunca houve um momento de crise desse tamanho em Cidade do Leste e estamos realmente preocupados, mas estamos analisando algumas possibilidades”, disse.

Ramírez também falou que “segundo as indicações do governo, a reabertura das fronteiras é quase impossível até agosto ou setembro e isso seria marcar a morte de Cidade do Leste. Não há como resistir, não há fórmula para salvar as empresas”, desabafou.

O representante da Câmara de Comércio acrescentou ainda que várias empresas não têm como se sustentar, já que as vendas locais representam apenas 5% do movimento. “Várias estão fechando. É uma situação séria e as grandes empresas não têm como se sustentar. Algumas pequenas empresas ainda precisam encontrar alternativas no mercado local, mas, dependendo do tamanho da estrutura, o mercado local não sustenta”, explicou.

Ramírez também afirmou que a reexportação caiu 98% com o conflito sanitário gerado pelo Covid-19 e que “muitos empresários decidiram fechar e já estão demitindo, seja aqui, em Pedro Juan ou em Salto del Guairá”, disse.

De acordo com Ramírez, o movimento na fronteira representa cerca de 30% do PIB nacional do Paraguai e “isso se foi de um dia para o outro”. Ele disse que os empresários estão estudando a implantação de uma plataforma eletrônica de comércio internacional, para tentar reativar as vendas.

Leia mais: https://www.lanacion.com.py/ahora/2020/05/13/cierre-de-fronteras-eso-seria-marcar-la-defuncion-de-cde-afirman/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *