Sem categoria

Marinha do Paraguai vai investigar denúncias de tortura por parte dos militares

O almirante Carlos Velázquez confirmou nesta sexta-feira (17) que os militares envolvidos nas denúncias de supostas torturas em Cidade do Leste foram indiciados e estão sendo investigados.

Após o compartilhamento de fotos e imagens da ação da Marinha e da polícia paraguaia no bairro São Miguel, em Cidade do Leste, onde ocorreu o confronto que envolveu militares e supostos contrabandistas e que resultou na morte de um militar, a Marinha do Paraguai abriu um inquérito para investigar todos os envolvidos na operação.

Depois do confronto e das buscas, durante as quais algumas casas do bairro foram invadidas, 35 pessoas foram detidas para investigação, entre elas, menores de idade. Os detidos contaram que foram espancados por militares da Base Naval de Cidade do Leste.

(Foto: Gentileza)

Uma denúncia formal já foi apresentada pelos advogados das vítimas da suposta violação dos direitos humanos, para a promotora Hermenegilda Cubilla, da Unidade Penal 1.

(Foto: Gentileza)

Em entrevista a Monumental 1080 AM, o almirante Carlos Velázquez, disse que a Prefeitura Naval tem atribuições de Polícia Fluvial e que, diante dos fatos registrados, está habilitada para realizar a investigação.

Ele afirmou que os militares não tinham autorização para realizar invadir as casas, já que para isso seria necessário um mandado de busca.

“Discordo de algo que não corresponde a procedimentos e regulamentos legais. Não há responsabilidade institucional no procedimento. Não concordamos com esse tipo de ação”, acrescentou.

Sem informar a quantidade de investigados, Velázquez informou que foram indiciados os militares comandados pelo capitão Walter Díaz, da Base Naval de Cidade do Leste.

Leia mais: https://www.ultimahora.com/detenidos-relatan-lo-vivido-procedimientos-militares-cde-n2895312.html

Leia mais: https://www.ultimahora.com/armada-investigara-denuncias-supuestas-torturas-parte-militares-n2895455.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *