Sem categoria

Falta de diálogo dificulta o desenvolvimento do transporte internacional de cargas no Mercosul

(Foto: Pixabay)

Desde a segunda quinzena de março, quando a Organização Mundial da Saúde – OMS, declarou o estado de emergência sanitária em razão do surto de coronavírus, a sociedade foi forçada a mudar. Porém, de acordo com a Associação Brasileira de Transportadores Internacionais, ao invés de buscarem ajudar uns aos outros, cada Estado Membro continua agindo de forma unilateral, prejudicando assim o desenvolvimento do Mercosul como um todo.

Após vários relatos de motoristas que têm tido a integridade e a liberdade desrespeitadas em função de “protocolos de segurança sanitária”, e da falta de sensibilidade por parte das autoridades regionais e dos órgãos de fiscalização, a ABTI emitiu uma nota na qual afirma que a falta de comunicação tem um sido um empecilho para o andamento da atividade, tanto no que se refere às trocas de informações entre Estados, quanto entre os setores públicos e privados.

Uruguai – No início do mês de julho, o Uruguai definiu algumas medidas especiais para o ingresso de cargas no país. Desde então, a ABTI expôs seu posicionamento de discordância com algumas das condições estabelecidas pelo país, assim como, procurou apoio de instituições e figuras representativas para auxiliarem nas negociações.

A Associação informou que implementação de medidas sanitárias extremas causa descontentamento às entidades representativas que não foram comunicadas antecipadamente e nem ao menos questionadas quanto ao seu entendimento em relação às exigências.

Mesmo que algumas medidas já tenham sido alteradas, e tendo em vista que as tratativas com o Uruguai ainda estão ocorrendo, a ABTI e outras entidades do setor privado participantes do Conselho Empresarial de Transportes de Cargas do Mercosul – CONDESUL, continuam buscando alternativas viáveis a fim de manter o funcionamento das atividades sem maiores custos.

Leia mais: http://www.abti.com.br/informacao/noticias/1775-falta-de-dialogo-dificulta-o-desenvolvimento-do-tric

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.