Paraná

Maior festival de divulgação científica do mundo volta a Foz do Iguaçu em versão online

Evento acontece simultaneamente em 73 cidades de todo o País. Também haverá uma programação nacional com youtubers e pesquisadores. (Fotos: Divulgação/Arquivo)

O Pint of Science volta a Foz do Iguaçu nos dias 8, 9 e 10 de setembro em formato online. As lives no Youtube têm o objetivo de preservar o distanciamento social, em razão da pandemia da covid-19. Além de Foz, outras 72 cidades, das cinco regiões do Brasil, serão anfitriãs do evento considerado o maior festival de divulgação científica em bares e restaurantes do mundo. No total, 11 países realizam o festival online.

Nesta terceira edição do Pint na fronteira, o festival recebe pesquisadores, professores e profissionais de Foz do Iguaçu, além de convidados de outras regiões do País.

As conversas falarão sobre temas como saúde mental na pandemia, a crise das democracias e sexualidades nas artes.

As lives serão transmitidas no canal do Pint of Science Brasil no YouTube e contarão com o apoio de bares que sediariam o evento presencial em 2020. Eles farão promoções especiais de delivery durante as lives.

As lives do Pint Foz começam às 18h30, em preparação ao Pint of Science Brasil, que acontece nas mesmas datas, a partir das 20h. A organização do evento nacional vai lançar um manifesto em apoio à ciência, principalmente em um ano em que o conhecimento científico e o papel das universidades assume importância estratégica no combate à pandemia de covid-19.

“Investimento ou morte” defende o fim do contingenciamento das verbas à ciência e uma maior valorização das pesquisas por parte do governo e da sociedade.

Programação:

08/09 – 18h30 Doenças mentais: a epidemia invisível
Na primeira noite do Pint Foz, as convidadas tratarão sobre o desafio de preservar a saúde mental durante a pandemia, momento no qual a ansiedade e a depressão ficam mais evidentes.

09/09 – 18h30 Quem tem medo da democracia?
As convidadas da noite são a professora da UNILA Renata Peixoto de Oliveira, autora do livro “Sem revoluções: os dilemas das democracias neoliberais andinas”, e a professora da UNIVASF, Helga Almeida, Coordenadora do Centro de Estudos em Instituições, Participação e Cultura Política (Politik).

10/09 – 18h30 – Bicha, sapatão e os olhos da arte para o mundo queer
Nesta noite, as convidadas irão debater as representações de gênero a partir da arte e da ciência – subjetividade e objetividade – além do arcaico e rompendo com a visão ocidental de gênero.

Com informações da organização do evento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *