Paraguai

Comunidades indígenas do Paraguai se negam a receber alimentos doados por ordem do EPP

Em várias cidades do país foram realizadas manifestações pedindo paz. (Foto: Reprodução/Twitter)

Marciano Jara, um dos representantes da comunidade de Arroyito, Concepción, disse ao Última Hora que os sete núcleos indígenas instalados no distrito declararam-se em assembleia permanente e, em resposta ao início da distribuição de alimentos por ordem do EPP, estão orientando as famílias para que rejeitem os alimentos.

Ele esclareceu que não se trata de uma postura contra as famílias dos sequestrados, mas sim responde à diretriz de que o Estado paraguaio é o responsável pela assistência aos povos esquecidos.

“Esta é uma comunidade abandonada pelo Estado paraguaio e pelas autoridades departamentais, mas consideramos que o Governo é quem deve ajudar. São muitas as lacunas e esse sempre foi o nosso motivo de luta, mas não vamos aceitar ”, frisou.

O representante expressou sua solidariedade à família do ex-vice-presidente Óscar Denis e ao jovem indígena Adelio Mendoza e disse que todos estão abertos à comunicação.

Beatriz Denis, filha do sequestrado, anunciou esta manhã que Arroyito é o primeiro destino da primeira remessa de alimentos em resposta à exigência da Brigada Indígena do EPP. Este local, segundo dados do deputado, é constituído por cerca de 820 famílias no total. 

Distribuição de alimentos – A célula do EPP exigiu para a libertação de Denis e Mendoza que a família do ex-vice-presidente distribuísse suprimentos para 40 comunidades no valor total de US $ 2 milhões, sendo US $ 50 mil para cada uma. Nas comunidades devem ser distribuídos remédios, chuteiras, carnes, leite em pó, utensílios para a fazenda, sementes para o autoconsumo, brinquedos e chinelos para crianças, além de doces. Tudo isso deve ser entregue às comunidades dos departamentos de Canindeyú, Concepción, Amambay e San Pedro, no prazo de oito dias. 

O grupo criminoso também indicou que se alguma comunidade não aceitar a comida, a família da vítima deve encontrar outra comunidade para distribuí-la. Além dos sete núcleos de Arroyito, várias comunidades indígenas do Bajo Chaco já anunciaram que também não aceitarão os kits.

Paraguaios pedem paz – Uma longa fila de veículos se formou no centro da cidade de Assunção neste domingo, para exigir a libertação do ex-vice-presidente, Óscar Denis, e do jovem indígena Adelio Mendoza. Com bandeiras e balões brancos, do Paraguai e com o símbolo da paz, os cidadão realizaram a mobilização sob o lema #ParaguaySinEPP, como uma demonstração de apoio às famílias vítimas do novo sequestro atribuído à Brigada Indígena do Exército do Povo Paraguaio (EPP).

Com informações do Última Hora e do Canal 13.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *