Paraná

Paraná vai ampliar atendimento à fauna vítima de tráfico e maus-tratos

O Estado conta com quatro Centros de Apoio à Fauna e a meta é que os 21 Escritórios Regionais do Instituto Água e Terra (IAT) tenham esse apoio. (Foto: AEN)

O Paraná vai ampliar a rede de Centros de Apoio de Fauna Silvestre (Cafs). As novas estruturas foram discutidas pelo Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, na terça-feira (22).

Hoje há quatro Cafs em funcionamento e, conforme definido na reunião, mais três serão implantados. A meta é aumentar o número de centros para que os 21 Escritórios Regionais do IAT tenham esse apoio, o que evitará deslocamentos desnecessários e boa parte da logística que envolve o atendimento aos animais.

Os Cafs, assim como os Centros de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), são unidades parceiras planejadas e distribuídas estrategicamente no Estado para o tratamento da fauna silvestre vitimada pelo comércio ilegal, tráfico, cativeiro irregular e de maus-tratos.

Tráfico – O tráfico de animais silvestres configura-se como uma das maiores atividades predatórias. De acordo com a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas), 38 milhões deles são retirados da natureza todos os anos no Brasil.

De acordo com a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, o Paraná é uma rota para o tráfico internacional devido às áreas de fronteiras com outros países. Dados da Polícia Ambiental Força Verde (BPAmb-FV) apontam que, somente nos últimos oito meses de fiscalização, cerca de 4 mil animais silvestres foram vitimados pelo tráfico ou por cativeiro irregular.

O número representa um aumento de 11% em relação a 2019.  Deste total, as aves representam 90%. A maioria dos animais sofre maus-tratos e muitos morrem.

Dentre as espécies mais apreendidas estão os trinca-ferro, canário-da-terra, coleirinho, papagaio-verdadeiro, papagaio-de-peito-roxo e periquito-rico. As ações resultaram também na apreensão de 2.111 gaiolas e 122 armadilhas, no mesmo período.

A estimativa do IAT é de que pelo menos 10 mil animais vitimados ao ano são apreendidos e entregues voluntariamente.

Parcerias – Para a manutenção de Centros de Apoio e Centros de Triagem, o IAT conta com parcerias de instituições, como prefeituras, Polícia Ambiental, universidades e ONGs.

Diversidade – O Paraná apresenta na sua biodiversidade, entre os vertebrados, 120 espécies de anfíbios, 160 de répteis, 180 de mamíferos, 770 de aves e cerca de 950 de peixes. Os dados são do Livro Vermelho de Fauna Ameaçada, publicado em 2004.

Entre os grupos de artrópodes, ou seja, animais dotados de patas articuladas e que possuem esqueleto externo, estão cerca de 10 mil espécies de borboletas e mariposas e aproximadamente 450 espécies de abelhas.

Com informações da AEN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *