Brasil

Lojas estão otimistas com as vendas para o Dia da Criança

Na contramão de outros segmentos da economia, setor não foi afetado pela pandemia. A Fátima Ody Barp, de Pato Branco está otimista com as vendas. (Foto: Divulgação)

O Dia da Criança é considerado, historicamente, como uma das cinco datas mais importantes para as vendas do comércio no Brasil. Depois do resultado alcançado no ano passado (quando o comércio registrou o melhor Dia da Criança, desde 2013), as expectativas dos empresários para este ano permanecem positivas.

A boa expectativa do setor se justifica. Dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq) mostram que, com o isolamento social, cresceu a procura por jogos de tabuleiros, quebra-cabeças e outros brinquedos. A estimativa dos fabricantes, em 2020, é manter um ritmo de crescimento de pelo menos 3% em relação ao ano passado, quando a alta registrada foi de 6%.

Para o consultor do Sebrae/PR, Gabriel Caus, o Dia da Criança deste ano tem um apelo ainda mais especial, incitando novas formas de brincar e criar vínculos.

“Uma tendência que falamos há algum tempo para todos os negócios e que ficou ainda mais evidente com a pandemia foi a questão da experiência. Quando trazemos isso para o segmento de brinquedos, temos que levar em consideração que os pais estão passando mais tempo com os filhos em casa, bem como todas as pessoas estão extremamente conectadas digitalmente. É uma ótima oportunidade para trazer uma experiência para o offline e aprofundar os laços na família”, indica Caus.

Ainda segundo o consultor, jogos que instiguem as crianças a criar ou participar do processo de forma mais ativa também melhoram a experiência, além de gerar momentos inesquecíveis entre pais e filhos.

Otimismo – Fernanda Ody Barp, sócia e diretora de loja em Pato Branco, sudoeste do Paraná disse que as vendas de brinquedos aumentaram em 10%, entre maio e setembro deste ano, em relação ao mesmo período de 2019.

“Devido à pandemia, as crianças precisaram ficar em casa e, através de brincadeiras e jogos, percebemos que favoreceu o vínculo familiar”, analisa Fernanda.

A empresária comenta que setembro foi o melhor mês em faturamento até aqui e que espera aumento de vendas com o Dia da Criança. E, mesmo com os índices positivos, a empresa está investindo para crescer mais.

Roupas – Atuando no ramo do vestuário, a empresária Noeli Guimarães Garcia, espera aumentar as vendas na comparação com o mesmo período do ano passado. Para isso, as ações nas redes sociais foram intensificadas.

“Acreditamos que 60% das vendas ocorram através das redes sociais. Todos os cuidados com a higienização dos produtos são adotados, com o objetivo de evitar a proliferação do novo coronavírus”, ressalta Noeli.

Dica do Sebrae – O cuidado com a higiene é outro comportamento do consumidor que deve perdurar – pelo menos até que a crise da Covid-19 esteja superada. Isso vale para a higiene da equipe, do ambiente e no cuidado com o manuseio dos produtos. É fundamental que o cliente perceba que a higiene é – de fato – uma preocupação da empresa. Para isso, a comunicação é fundamental. Desde as redes sociais até o ambiente da loja, esse cuidado precisa ser evidenciado aos consumidores.

Com informações do Sebrae/PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *