BrasilParaná

Unila recebe R$ 1 milhão do Procel para construção de laboratório sustentável

Sustentável e com alta eficiência energética, o projeto  Ombo’éva  foi desenvolvido por equipe formada por pesquisadores, estudantes e profissionais de diferentes áreas. (Imagem: Divulgação/Unila)

Trata-se de uma edificação sustentável e de alta eficiência energética que acaba de ser contemplado com R$ 1 milhão. Os recursos são provenientes do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), da Eletrobrás. O prédio, de aproximadamente 300 metros quadrados, vai abrigar um laboratório para realização de impressões 3D. O prazo para a construção é de até 24 meses.

O projeto foi desenvolvido entre dezembro de 2019 e janeiro deste ano por uma equipe de 13 pessoas, que inclui docentes e estudantes da UNILA e parceiros da iniciativa privada. 

No resultado inicial, divulgado em maio, o projeto da UNILA ficou em quinto lugar – o edital contemplava apenas os quatro primeiros classificados –, mas um dos vencedores foi desclassificado. Um novo edital, contemplando a UNILA, foi publicado no final de outubro.

A ideia da equipe era fazer um projeto “diferente” para competir com outras instituições mais antigas e com maior infraestrutura. Por isso, algumas referências locais foram incorporadas. A começar pelo nome Ombo’éva, que em guarani quer dizer “Quem ensina”.

O projeto – O projeto está dividido em dois blocos. Um deles irá abrigar os equipamentos do laboratório e será construído com alta tecnologia para garantir eficiência energética e desempenho. No segundo bloco, onde estarão os banheiros e a área de descanso, serão utilizadas técnicas construtivas convencionais, porém, sustentáveis.

“O que talvez tenha me deixado mais feliz é que, de certo modo, o projeto arquitetônico é bem tradicional do ponto de vista do que todo arquiteto ou engenheiro civil deveria fazer. Esse foi o primeiro critério que a gente utilizou. Projetar a edificação com distribuição solar adequada”, comenta o arquiteto e docente do curso de Arquitetura e Urbanismo Egon Vettorazzi, explicando que foram utilizados os princípios básicos da arquitetura bioclimática.

Cássio Gomes de Oliveira, engenheiro civil e mestrando em Engenharia Civil, chama a atenção para um dos objetivos da edificação, que é a redução do consumo de água.

“O objetivo é levar o mais próximo de zero possível a relação entre a água consumida e o que é produzido”, diz.

Para isso, o projeto prevê um sistema de tratamento dos efluentes de pias e ralos com a implantação de um Círculo de Bananeira – as raízes da bananeira realizam a filtragem da água por meio de evapotranspiração – e a coleta da água da chuva por meio de cisternas para o uso na jardinagem e limpeza de calçadas.

Em relação à geração de energia distribuída (produzida no local), a edificação irá utilizar um sistema fotovoltaico (painéis ou telhas). 

Entre as tecnologias que serão utilizadas, algumas já estão disponíveis no mercado, como a telha fotovoltaica, e outras, consideradas inovadoras, serão testadas a partir do próprio projeto, na construção e no uso. 

De acordo com o edital Procel Edifica, após finalizada, a edificação deverá ser aberta à sociedade para visitação por, pelo menos, dois anos consecutivos. Além das visitas – que serão gratuitas –, estão previstas palestras, cursos, treinamentos e seminários para demonstração e disseminação das técnicas e tecnologias presentes na edificação.

Com informações da Unila

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.