BrasilParaguai

105 toneladas de cigarros do crime apreendidos no PR e MS são destruídas em força-tarefa

Ação foi coordenada pela Receita Federal com apoio do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade. Carga ilegal é avaliada em R$ 18,75 milhões. (Imagem: Receita Federal)

Nesta quinta-feira (3), uma força-tarefa coordenada pela Receita Federal, com apoio do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), iniciou a destruição de mais de 75 milhões de unidades de cigarros contrabandeados, apreendidos ao longo do ano em Mato Grosso do Sul e no Paraná.

A carga, avaliada em cerca de R$ 18,75 milhões, foi transportada em sete carretas. Quatro delas partiram de Mundo Novo (MS), com 81,2 toneladas, e outras três saíram de Guaíra (PR), com 23,8 toneladas. A mercadoria foi levada até a unidade da Receita Federal de Foz do Iguaçu (PR), que conta com equipamento específico para a eliminação de grandes quantidades de cigarros, sem causar prejuízo ao meio ambiente.

“A Receita Federal tem trabalhado no estabelecimento de parcerias para que as mercadorias que devam sofrer um processo de destruição, como o caso dos cigarros ilícitos, tenham uma destinação ambientalmente correta e com mínimo impacto financeiro aos cofres públicos.”, afirma Hipólito Caplan, Auditor Fiscal e delegado adjunto da Alfândega de Foz do Iguaçu/PR

Perda bilionária ao crime organizado – Segundo dados da Receita Federal, apenas entre 2019 e 2020, o prejuízo para o crime organizado com as apreensões de cigarros ilegais ultrapassou R$ 2 bilhões de reais. No mesmo período foram destruídas mais de 12 mil toneladas de cigarros. Ainda assim, o produto lidera o ranking do contrabando no Brasil.

“Essa inundação de cigarros ilegais mina os cofres públicos. O Brasil perde aproximadamente R$ 12 bilhões anualmente em arrecadação de impostos, o que gera prejuízos em cascata em toda a economia nacional”, afirma Edson Vismona, presidente do FNCP.

Esta é a quinta ação de destruição de cigarros ilegais realizada em 2020 com o apoio do FNCP.

Com informações da Receita Federal 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.