BrasilTurismo

A Jacutinga é um dos destaques na trilha do Parque das Aves em Foz

Turistas podem conhecer de perto a ave dispersora de sementes que desapareceu em determinadas áreas no Brasil. (Foto: Divulgação/Parque das Aves)

O visitante do Parque das Aves tem a oportunidade de conhecer a jacutinga (Aburria jacutinga), uma importante ave nativa da Mata Atlântica que está praticamente extinta em diversos locais da sua área de ocorrência original. No total, são 21 indivíduos que compõem o plantel do atrativo.

A jacutinga é uma excelente dispersora de sementes, com registros que indicam o consumo de 41 diferentes frutos da Mata Atlântica, colaborando com a manutenção da floresta. No entanto, a degradação do habitat, na busca por um dos seus principais alimentos, como o palmito-juçara, e a caça predatória praticamente exterminaram as suas populações em parte de sua área de distribuição.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a ave foi um dos animais mais caçados em toda a Mata Atlântica, havendo relatos de abates de até 50 mil aves em uma única temporada.

Estima-se que existam hoje menos de 2.500 jacutingas na natureza, com tendência a diminuir ainda mais. Segundo a diretora técnica do Parque das Aves, Paloma Bosso, o objetivo do Parque das Aves de trazer para perto dos turistas essa ave em perigo de extinção é trabalhar a educação ambiental e a conscientização da importância de proteger o bioma Mata Atlântica e as espécies que nele vivem.

Conservação – Desde 2017, o Parque das Aves se consolidou como um Centro de Conservação de Aves da Mata Atlântica e mantém uma área denominada “Como Salvamos Espécies”, que traz diversas informações sobre como evitar o desaparecimento de espécies, entre elas a jacutinga.

O visitante tem a oportunidade única de conhecer bem de perto outras aves, como o mutum-de-alagoas (Pauxi mitu), ave extinta na natureza desde a década de 1970, além de aprender mais sobre as razões que levaram à extinção e o que elas podem fazer para que outros animais não cheguem nessa situação.

“Mas de 70% da população brasileira vive na região da Mata Atlântica e depende dos benefícios que ela fornece, direta ou indiretamente, para sobreviver. Mesmo assim, poucos sabem que ela é uma das florestas tropicais mais ameaçadas do mundo. O que tentamos é chamar a atenção da população para as questões mais emergenciais”, disse a diretora técnica do Parque das Aves, a veterinária Paloma Bosso.

Com informações da Ascom do Parque das Aves 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.