Covid-19ParanáTurismo

Covid-19: Restrições prejudicam movimento na hotelaria e gastronomia de Foz, diz Sindhotéis

Ocupações projetadas em 42% (Natal) e 54% (réveillon) estão ameaçadas por causa das medidas impostas pelos governos. (Foto: Divulgação/Marcos Labanca)

As redes hoteleira e gastronômica de Foz do Iguaçu têm dobrado os esforços para “salvar” o fim de ano” na fronteira. As projeções iniciais indicavam uma ocupação razoável para os dois feriados, mas o cenário vem mudando devido às restrições impostas pelo Governo do Paraná e pela Prefeitura.

Uma pesquisa feita pelo Sindhotéis aponta uma previsão de ocupação de 42,2% no Natal e de 54,3% na virada do ano –índices bem abaixo da previsão para o mesmo período do ano passado, de 66% e 86,3%, respectivamente. 

Cancelamentos – Para o presidente do Sindhotéis, Neuso Rafagnin, todos os esforços e investimentos das empresas para tornar os meios de hospedagem e gastronômicos ambientes seguros (seguindo os protocolos sanitários determinados pelos governos municipal e estadual) podem cair por terra em consequência das medidas restritivas impostas pelo poder público.

“A nova onda de prejuízos veio com tudo. Estamos registrando cancelamentos de reservas para o Natal e Réveillon. Caso as atuais restrições sejam prorrogadas até o fim do ano, mais empresas fecharão as portas em definitivo e teremos mais desemprego na cidade”, alertou o presidente do Sindhotéis.

Incertezas – Neuso Rafagnin condenou a medida tomada pelo Governo do Estado que, por meio de decreto estabeleceu, entre outras regras, a proibição de confraternizações e eventos presenciais que causem aglomerações com grupos de mais de dez pessoas. 

Segundo Neuso, a entidade tem buscado o diálogo com o governo estadual e municipal para encontrar uma solução a fim de garantir o pleno funcionamento da hotelaria e gastronomia em dezembro.

Pesquisa – Conforme a pesquisa do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Foz e Região, as reservas até o momento foram feitas 100% por hóspedes brasileiros.

O levantamento foi realizado no começo de dezembro, com base no movimento projetado em 28 estabelecimentos. A cidade possui cerca de 180 meios de hospedagem e aproximadamente 30 mil leitos, em hotéis, pousadas, albergues e hostels, além de em torno de 200 estabelecimentos gastronômicos de interesse turístico.

Com informações do Sindhotéis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *