Covid-19Paraguai

Paraguai espera começar a vacinar no segundo trimestre de 2021

As vacinas contra a Covid-19 podem chegar ao Paraguai no segundo trimestre do próximo ano, informou o vice-ministro da Assistência Integral à Saúde e Assistência Social, Júlio Borba. (Foto: Reprodução/IP) 

Atualmente, em todo o mundo, existem sete vacinas que ainda estão em fase de testes, mas que já foram aceitas em situação de emergência, disse Borba em conversa com a Rádio Nacional do Paraguai. Ele revelou que as vacinas que atenderem todos os requisitos de segurança, eficácia e logística serão as adquiridas pelo país.

O Ministério da Saúde Pública e Bem-Estar Social está atento ao andamento das pesquisas com as vacinas contra a Sars-Cov-2 e pretende vacinar 30% da população vulnerável do Paraguai, gratuitamente. A vacina será opcional.

Para garantir o acesso às vacinas, o Paraguai aderiu ao mecanismo Covax, recurso instituído pela Organização Pan-Americana da Saúde e pela Aliança Internacional.

Situação crítica – O vice-ministro Júlio Borba, destacou que a ocupação de leitos nos hospitais está em alta em relação às semanas anteriores e afirmou que o combate ao coronavírus precisa ocorrer fora dos hospitais. Ele argumentou que este é o pior momento da epidemia.

Júlio Borba acrescentou que além do coronavírus, a ocupação dos leitos se deve a outras patologias como acidente vascular cerebral, acidentes de trânsito. 

O Ministro Julio Mazzoleni também pediu o apoio da população diante da lotação dos hospitais.

“Propomos uma série de estratégias para melhorar o atendimento mas solicitamos a colaboração da população”, frisou.

O Ministro afirmou que a situação é complicada nos hospitais de referência em Assunção e no departamento Central, já que além da Covid-19, o atendimento a outras patologias seguem aumentando. 

“Ataque zumbi” – Já o vice-ministro, Júlio Borba, alertou também que, por causa do verão existe ainda o perigo da dengue. Ele pediu mais uma vez que a população colabore.

“Espero que não seja a tempestade perfeita porque aí o que mais pode acontecer com a gente seria um ataque zumbi”, ironizou o profissional.

Com informações da Agência IP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *