BrasilCovid-19Paraná

UNILA integra Rede de Estudos que investiga impacto de animais na cadeia epidemiológica da Covid-19

Primeira coleta foi realizada no fim de novembro, em Foz do Iguaçu (PR). (Foto: Unila/Divulgação)

Embora ainda seja controversa a origem do Sars-Cov-2 – o vírus causador da Covid-19 –, existe a hipótese de que o surgimento dele esteja relacionado às zoonoses, ou seja, doenças transmitidas entre animais e seres humanos. E é nesse contexto de inter-relação entre humanos e animais que se desenvolve a pesquisa “Aspectos epidemiológicos da infecção por Sars-Cov-2 em animais (domiciliados e silvestres) com abordagem em Saúde Única”.

O estudo irá avaliar a participação dos animais na cadeia epidemiológica da Covid-19. O projeto de pesquisa é coordenado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e conta com a colaboração de uma Rede de Estudos formada por instituições de ensino superior do Paraná – entre elas, a UNILA.

A pesquisa irá avaliar uma potencial interação interespécies no processo infeccioso da Covid-19, lançando questões sobre o papel do homem na infecção de animais pelo Sars-Cov-2, e vice-versa.

Coletas em Foz do Iguaçu – Em Foz do Iguaçu, o professor do curso de Saúde Coletiva da UNILA, Walfrido Kühl Svoboda, responsável pela colaboração da UNILA nesse projeto, realizou, em novembro, a primeira coleta de amostras biológicas em dois cães, cujo tutor testou positivo para a Covid-19.

Além do contato próximo com um ser humano infectado, um dos animais apresentou sintoma respiratório de tosse. Por meio do swab (cotonete estéril), foi feita a coleta de secreções nos cães. As amostras serão encaminhadas agora para a Universidade Estadual de Londrina, para serem examinadas.

“Serão feitas análises para investigar se tem material genético do vírus (Sars-Cov-2), e os testes Elisa e Western Blot, para detectar anticorpos. São os mesmos testes feitos em humanos, só que em laboratório de pesquisa para animais”, explica o docente.

Svoboda disse que durante a visita para a realização da coleta, aplicou um questionário para investigar, entre outros aspectos, a rotina dos animais, a relação deles com os tutores e os locais de circulação.

O estudo pretende propor métodos alternativos para diagnóstico do vírus que causa a Covid-19, por meio do desenvolvimento de testes rápidos, além de elencar e validar novos fármacos para o tratamento da doença. O projeto da pesquisa foi submetido à Capes dentro do Programa Estratégico Emergencial de Prevenção e Combate a Surtos, Endemias, Epidemias e Pandemias.

Com início este ano, o estudo tem previsão de término somente em 2023. A proposta da pesquisa inclui ainda, o fortalecimento dos vínculos entre instituições de ensino superior paranaenses, por meio da formação e consolidação de uma Rede de Estudos.

Voluntários – Os moradores de Foz do Iguaçu interessados em participar da pesquisa devem entrar em contato com o professor Walfrido Svoboda pelo e-mail walfrido.svoboda@unila.edu.br, para solicitar a coleta de materiais biológicos (swab e sangue) dos animais domiciliados.

O docente destaca que uma das condições para incluir a participação de animais domiciliados nesta pesquisa é a de que eles tenham tido contato com pessoas com sinais clínicos da Covid-19 e que os tutores dos animais tenham terminado o período de quarentena.

Com informações da Unila 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *