BrasilCovid-19

Ações da UNILA no combate à pandemia aliam ciência, dedicação e solidariedade

Docentes, estudantes, técnicos e gestores se uniram em diferentes frentes de ação para ajudar no combate a Covid-19. (Foto: Unila)

Desde as primeiras notícias da pandemia em Foz do Iguaçu a UNILA tem se destacado no combate a Covid-19, levando informações seguras à população e desenvolvendo ações na área da saúde, em parceria com outros órgãos públicos, principalmente com a Prefeitura. Diferentes grupos de pesquisadores também se dedicaram a buscar soluções para as demandas que surgiram com a pandemia.

 “Simplesmente acho que, sem a atuação da UNILA, o Município teria uma dificuldade bem maior de implementar as ações assistenciais. Creio que somos um dos maiores contingentes de recursos humanos envolvidos no enfrentamento da pandemia em Foz. Atuamos na barreira sanitária, no plantão telefônico, triagem, pronto-socorro respiratório, enfermaria e UTI Covid e o Laboratório de Biologia Molecular. Todos contaram e contam com um número expressivo de alunos e recém-formados da UNILA na atuação direta”, comenta a médica infectologista Flávia Trench, que coordenou diferentes atividades, entre elas o Plantão Covid-19 e a Telemedicina, até o final de outubro.

Barreiras e plantão Covid– Até o final de outubro, 191 estudantes, a maioria da UNILA, dos cursos de Medicina e de Saúde Coletiva e também do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, prestaram serviços no atendimento do Plantão Covid-19, nas barreiras sanitárias instaladas na BR-277 e em outros serviços de saúde. Foram 23.744 atendimentos telefônicos e 16.877 triagens, para citar duas dessas ações.

O serviço do Plantão Covid-19 é realizado por meio de uma central telefônica – instalada inicialmente no Hospital Municipal e recentemente transferida para a Unioeste – que opera 24 horas por dia e 7 dias por semana.

Telemedicina – A Telemedicina é desenvolvida por médicos da rede pública e conta com a participação de docentes e estudantes dos cursos de Medicina. Nestes 9 meses, foram feitos 17.868 atendimentos. Com o serviço, evita-se a aglomeração de pacientes de quadro leve em setores de emergência ou urgência.

Exames – No início da pandemia, a UNILA transferiu os equipamentos do Laboratório de Pesquisa em Ciências Médicas para o Hospital Municipal, para a realização dos exames RT-PCR (padrão ouro) para detecção do coronavírus. No Laboratório de Biologia Molecular, como foi nomeado, docentes e estudantes dos cursos de Biotecnologia e de Medicina, além de servidores técnico-administrativos da UNILA, trabalham em regime de revezamento para a realização dos exames. A equipe contou com a dedicação de 12 estudantes.

Pesquisa – Além dos exames RT-PCR, pesquisadores da Universidade também realizaram os inquéritos sorológicos (cinco no total), em parceria com a Prefeitura, para monitorar a presença de anticorpos em pessoas assintomáticas, a partir do desenvolvimento de um exame utilizando a metodologia Elisa (do inglês Enzyme-Linked Immunosorbent Assay). No total, foram avaliados 3.581 voluntários do município nos inquéritos sorológicos.

A equipe, coordenada pelo professor Kelvinson Viana, realizou, no total, mais de 8 mil testes sorológicos entre maio e dezembro, incluindo, além dos inquéritos, a prestação de serviços para diferentes órgãos municipais, estaduais e federais.

Álcool e Máscaras – Outra frente de atuação da UNILA foi na produção de álcool glicerinado. Um produto que ficou escasso no mercado nos momentos iniciais da pandemia. Do início de abril até meados de dezembro, um grupo de 24 docentes, estudantes e técnicos se revezam na produção e distribuição do produto. Até agora, 5.492 litros de álcool glicerinado 80% foram produzidos.

Grande parte do álcool foi produzida a partir de insumos doados pela comunidade local, mas também contou com etanol destilado por outro grupo de pesquisadores, a partir de bebidas doadas pela Receita Federal.

Em março, além da grande demanda por álcool em gel, também houve uma procura maior por máscaras por parte da população, o que afetou o fornecimento do produto para os profissionais da rede pública de saúde,  principalmente as máscaras de modelo N95.

Para oferecer uma alternativa a esses profissionais, um grupo de pesquisadores (docentes e estudantes) desenvolveu máscaras reutilizáveis, com produção em impressoras 3D. Foram desenvolvidos protótipos, que passaram por avaliação das equipes de saúde do Hospital Municipal. Hoje, os documentos necessários para a produção de duas máscaras reutilizáveis, para uso com diferentes filtros, estão disponíveis gratuitamente para download, facilitando a reprodução por qualquer pessoa.

A mesma equipe desenvolveu também a modelagem de uma câmara de descontaminação de máscaras utilizando radiação ultravioleta e, motivados pela necessidade de higienização de ambientes como salas de aula, escritórios e pequenos estabelecimentos comerciais, eles criaram uma torre de descontaminação de ambientes e superfícies por radiação ultravioleta de baixo custo. 

Análise de dados – A UNILA também criou um grupo de trabalho, formado por pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento, para reunir e analisar os números de casos da doença e prover cidadãos e autoridades com informações necessárias para a tomada de decisões.

“A gente buscou fazer materiais informativos para a população, interpretando os dados da Covid na cidade e fornecendo material informativo e analítico a respeito da situação da pandemia aqui na cidade”, diz a professora Elaine Della Giustina Soares, bióloga e integrante do grupo. 

Resultados – Boa parte das ações de combate a Covid-19 foi reunida em grupos de trabalho, formados no início da pandemia, como forma de organizar os especialistas de diferentes áreas e alinhar o trabalho.

“Essas ações surgiram, inicialmente, como uma resposta à situação da comunidade local e como oportunidade para aquelas pessoas que queriam se disponibilizar voluntariamente a contribuir”, comenta o vice-reitor da UNILA, Luis Evélio Garcia Acevedo, coordenador das ações institucionais de enfrentamento da Covid-19. 

Com informações da Unila

Um comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *