BrasilFronteiraParaguai

Tão longe… tão perto!

Brasileiro que vive no Paraguai encontrou hoje (20) parte da família, com que não tinha contato há 43 anos. (Fotos: Cris Loose) 

Pouco antes do Natal do ano passado, a assistente social Lilian Canalde, que mora em Ciudad del Este, entrou em contato pedindo que eu ajudasse a compartilhar a história de um brasileiro que vive em Cidade do Leste, no Paraguai, e que há 43 anos não tinha contato com a família.

Com pouca informação sobre o passado dele, mas sentindo que essa família poderia voltar a se reunir, compartilhei a história do José no dia 22 de dezembro de 2020. Confira AQUI.

Ontem (19), recebi quase que ao mesmo tempo, mensagens da Lilian e do José. Ele tinha finalmente entrado em contato com os irmãos e o encontro foi marcado para esta quarta-feira (20), às 18h. E o melhor: em Foz do Iguaçu.

José me agradeceu e pediu que eu comparecesse ao encontro, mas faltava definir o local, já que os irmãos estavam definindo na casa de quem isso seria feito.

No fim da tarde, cheguei à casa da família de Jonas, no Jardim Patricarca.

Lá também estavam José, de 55 anos; Maria Lúcia, que mora no bairro Ouro Verde e tem 54 anos; Rubens, que mora no Jd. Veraneiro e tem 53 anos; e Neusa, que mora no Três Lagoas e tem 50 anos.

Conversando sobre a idade de cada um.

Posso ter errado as idades pois foi difícil os irmãos chegarem a uma conclusão.

Além deles, estavam reunidos na casa, a Jéssica, filha de Jonas, que cursa medicina em Ciudad Del Este e que, por coincidência, tem o mesmo nome da prima, a filha de José.

Outra coincidência, que me desculpo por não ter registrado, é que todos os irmãos tem as mãos exatamente iguais, além é claro, das expressões faciais e da alegria.

A rede – Apesar de sentir a morte dos pais, com quem ainda sonhava em se encontrar, José parecia não estar acreditando no que estava ocorrendo naquela casa, aqui em Foz. E eu não sei explicar a expressão dele.

José agradeceu e disse que de alguma maneira, a informação foi compartilhada por uma rede de pessoas que tornaram o encontro possível.

Inglaterra e Bahia – Rubens estava trabalhando ontem quando recebeu uma ligação de um número estranho, prefixo 77. Não atendeu.

Logo depois, recebeu uma mensagem da Bahia. Ouviu que um irmão estaria procurando por eles, e passou, o que achava ser trote, para a irmã resolver.

“Se for trote, a Neusa resolve”, me disse ele.

Aí entrou em cena a Neusa, que foi saber do que se tratava. Eles contaram que a informação sobre a busca de José rodou vários países e chegou a uma brasileira que vive na Inglaterra que entrou em contato com alguém da Bahia, que fez o restante.

Primeiro contato – Ontem, no meio da manhã, após algumas tentativas, a Neusa fez uma chamada de vídeo e falou, depois de muitos anos, com o irmão, José.

O resultado foi que hoje, quarta-feira (20), o ano realmente começou para essa família que prometeu nunca mais se separar.

Mais irmãos – Infelizmente, nem todos puderam estar presentes. José tem mais irmãs, mas elas moram longe. Dagmar mora em Imbuia (SC); Rosa vive em Jaraguá do Sul – também em Santa Catarina; e Rosângela, a caçula, que tem 40 anos, mora na Espanha.

Quem sabe… no fim desse 2021 esses irmãos comemorem todos juntos o reencontro da família, com agregados, filhos, primos….

Observações pessoais –  Até agora estou curiosa pra saber como foi que descobriram o telefone do Rubens. Vou entrar em contato com o pessoal da Bahia e compartilho com vocês logo, logo.

Tive que rir porque o Rubens, quando chegou, disse ao ver José: “Você engordou hein, mano?

Agradecimento – Lilian e José, gracias y obrigada pela confiança. Família, obrigada a vocês também pela acolhida. 

É por causa de tudo isso que eu acredito na comunicação, no compartilhar e no jornalismo.

Usei máscara o tempo todo, mas quanto a eles… não teve como segurar a emoção. Afinal… foram mais de 40 anos de espera.  

Cris Loose – jornalista

8 comentários
  1. Johana Rodrigues

    Boa noite a todos quem fez todo o trabalho duro foi o Marcos Tassi… por todo lado encarecidamente procurou ajuda de muita gente e com a ajuda da Sra Ivanete Alves e sua prima Raquel..tem que falar a verdade!!!

  2. Gersón Roa

    Boa noite, aquí a pessoa que fez toda a conexao foi o Sr Marcos Tassi, a sua prima Raquel que mora em Brasil e a Sra Ivanete Alves. Eu sou o filho maior do Sr José. Nao apague mais o meu comentario o vou publicar no Facebook!

  3. Gersón

    Boa noite, aquí a pessoa que fez toda esa conexao, foi o Sr Marcos Tassi, sua prima Raquel que mora em Brasil e a Sra Ivanete Alves. Eu sou o filho maior do Sr José.

  4. Ivanete Alves

    Boa noite gostaria de ressaltar que foi um conjunto de pessoas até chegar no meu companheiro da Bahia, até então eu não tinha conhecimento da sua matéria, a pessoa que fez os contatos para que esse encontro acontecesse foi Sr, Marcos Tassi que infelizmente não foi mencionado no seu maravilhoso texto.

    1. Cris Loose

      Bom dia. Enviei mensagem para um numero de whatsApp pedindo informações justamente para entender esse processo todo. Até porque a família tambem nao soube me explicar. Se você puder adicionar o meu numero de whats para me ajudar a entender isso, te agradeço. Quero escrever mais sobre isso e incentivar outros encontros. Cris Loose.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *