ArgentinaBrasilCovid-19Foz do IguaçuFronteiraParaguai

Um ano se passou… e não aprendemos!

Continuamos no “dia da marmota”. Explico no fim do texto. (Fotos da fronteira com a Argentina: Cris Loose Compartilha)   

Um ano depois, continuamos usando máscaras, álcool gel e mantendo o distanciamento social. Bom… pelo menos parte de nós. Enquanto isso, sigo com saudades de vários amigos do Brasil, do  Paraguai e da Argentina. Kelly, Beto, Myrian, e todos… #saludos. 

No dia 16 de março do ano passado “se cerró la frontera” com a Argentina, por decreto do presidente de lá. Vi amigos com dúvidas, perguntando se poderiam voltar. Leia mais AQUI. 

Vi muitas pessoas acampando no meio da ponte para retornar ao país de origem. Isso já passou, mas as restrições, não. Faz tempo que não vou para Puerto Iguazú, cidade que adoro e na qual tenho vários amigos.

Neste um ano de pandemia, com vontade de “ir allá” resolvi matar a saudade e segui pelo menos até o meio do caminho. Já tinha escrito sobre isso. Veja AQUI.

Fronteira – Neste sábado (20) voltei à fronteira. Quero agradecer ao pessoal da Polícia Federal pela autorização e pelas orientações. Não está sendo fácil, mas… a gente precisa continuar, com máscara, álcool gel e mantendo o distanciamento. É triste ver a fronteira assim… vazia. 

Um ano de covid-19 – Foz do Iguaçu registrou neste sábado (20) mais 61 casos de covid-19 e totaliza agora 30.499 casos da doença no município. Deste total, 29.378 pessoas já estão recuperadas.

São 224 pessoas e dos 125 leitos de UTI, 119 estão ocupados. Também ocorreram mais cinco óbitos, totalizando 536 mortes pela doença no município.

De acordo com o jornalista Guilherme Wojciechowski, Foz do Iguaçu teve, pela terceira vez consecutiva, a semana mais mortal desde a chegada do coronavírus à cidade. No intervalo entre os dias 14 e 20 deste mês, foram registrados 918 novos casos, 1.062 recuperados e 55 mortes.

No tocante aos novos casos, afirmou o jornalista, houve queda importante na comparação com as três semanas anteriores, como provável fruto das medidas restritivas adotadas desde o início do mês.

Oxigênio – A UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Dr. Walter Cavalcanti Barbosa, do Morumbi, recebeu neste sábado um novo tanque de oxigênio medicinal para o atendimento aos pacientes com Covid-19.

(Foto: PMFI)

Desde fevereiro, a UPA faz a triagem e a coleta de exames dos casos suspeitos de coronavírus, para desafogar o Hospital Municipal Padre Germano Lauck.

Lockdown – Sim, hoje (20), a partir das 18h, tem novo lockdown em Foz. E vale até às 5h de segunda-feira (22). O que se espera é que nas próximas semanas os números de contágios diminuam.

(Foto: PMFI)

Paraná – A Secretaria de Estado da Saúde divulgou ontem (19), mais 8.112 casos e 268 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os dados acumulados do monitoramento mostram que o Estado soma 784.522 diagnósticos e 14.546 óbitos em decorrência da doença, desde o início da pandemia.

Várias cidades do estado estão literalmente fechadas, com barreiras sanitárias, como ocorre no litoral do estado. Curitiba e a Região Metropolitana também adotaram medidas mais restritivas.

Vacinas – Até esta sexta-feira, 553.135 paranaenses foram vacinados e 745.046 doses foram aplicadas, sendo 191.911 aqueles que já receberam a segunda dose, garantindo sua imunização por completo.

(Foto: Geraldo Bubniak/AEN)

O Governo do Estado recebe neste sábado (20), às 14h30, mais 240.450 doses de vacinas contra o coronavírus. São 234.200 doses da Coronavac, produzida pela Sinovac e Instituto Butantan, e 6.250 do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford/AstraZeneca, parte do primeiro lote fabricado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Este é o 9.º lote encaminhado pelo Ministério da Saúde, totalizando 1.500.450 doses recebidas pelo Paraná.

Também nesta semana, os governadores da região sul se uniram para atuar em conjunto. 

Brasil – O Brasil registrou, do dia 1º até 19 de março, 35.507 mortes pela Covid-19, segundo dados apurados pelo consórcio dos veículos de imprensa. Foi o maior número de mortes registrado em um período mensal desde o início da pandemia, mesmo com 12 dias faltando para acabar o mês.

Ao todo, o Brasil já registrou 290.525 mortes pela covid-19.

Oxigênio – Já há registro de falta de oxigênio em vários hospitais do país. O alerta já tinha sido dado pelo Governo Federal. Leia mais AQUI

(Foto: MS)

Várias cidades do RJ, SP do DF e do RS anunciaram lockdown. A medida foi criticada pelo Governo Federal. Ontem o Presidente do Brasil chegou a afirmar que se trata de “estado de sítio” e perguntou “se as pessoas estão mesmo preparadas para isso”.  

Medicamentos – Também ontem (19), a Anvisa simplificou as regras para venda de medicamentos para intubação. Os medicamentos usados para a intubação de pacientes com covid-19 obedecerão temporariamente a regras mais simples de fabricação e de venda.

Em nota, a Anvisa informou que a flexibilização das regras foi necessária para atender à demanda das unidades de saúde após o aumento no número de casos graves da doença.

Paraguai – Na sexta-feira (19), o Paraguai registrou um novo recorde de mortes com mais 42 óbitos no país e 2.006 novos contágios.  Desde o início da pandemia, 190.499 paraguaios já contraíram o vírus. O total de mortes chegou a 3.662.

Vacinas – No começo deste mês o Paraguai recebeu 20 mil doses de vacinas, que foram doadas pelo governo do Chile. Ontem (19) mais 36.000 doses compradas por meio do Mecanismo Coronavac chegaram ao país.

(Foto: Ministério da Saúde do Paraguai)

As doses da vacina AstraZeneca serão aplicadas no “pessoal de branco”. Para o fim deste mês mais 64.000 devem chegar ao país vizinho, adquiridas por meio da Organização Mundial da Saúde.

Ajuda – Nesta semana o chanceler paraguaio pediu apoio ao governo brasileiro para importar vacinas, assim que o Brasil começar a produzir.

Restrições – Desde a quinta-feira (18), seguindo uma nova portaria do governo do Paraguai, estão habilitadas aulas presenciais nas escolas que cumprirem as medidas sanitárias.

Além disso, o horário de funcionamento para restaurantes, bares e eventos foi ampliado e segue até a meia-noite. Os clientes deverão apresentar comprovantes para poder se locomover, uma vez que a circulação está restrita entre as 20h e as 5h00, a partir desta quinta-feira.

Os clientes dos espaços gastronômicos terão que apresentar reservas e faturas para se locomoverem até os locais após às 20h. O decreto terá duração inicial de sete dias.

Dia da Marmota – O Dia da Marmota é um festival que acontece anualmente na cidade de Punxsutawney, a 120 quilômetros a nordeste de Pittsburgh, no estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos. O  festival ficou conhecido no mundo todo por causa da festa do Dia da Marmota. A data é comemorada no dia 2 de fevereiro. Diz a tradição centenária que as marmotas têm o poder de prever a duração do inverno.

(Foto: Pixabay)

O Dia da Marmota é o tema do filme “Feitiço do Tempo” de 1993. No filme, o repórter acorda todos os dias no mesmo dia (no caso, o Dia da Marmota), em Punxsutawney, para onde tinha viajado pelo quarto ano consecutivo a fim de cobrir o festival para a emissora de TV para a qual trabalhava.

Cris Loose Compartilha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.