ArgentinaBrasilFoz do IguaçuParaguai

Porto Seco de Foz do Iguaçu fechou o primeiro semestre de 2021 com maior movimento da história

Recinto liberou mais de 98 mil caminhões em 2021 e se mantém como o maior da América Latina em movimentação de cargas. (Foto: Receita Federal) 

No primeiro semestre de 2021 já foram liberadas 98.685 cargas no Porto Seco de Foz do Iguaçu. Um movimento 21,4% maior do que o ocorrido no mesmo período de 2016, quando foram liberadas 182.323 cargas, sendo 81.270 no primeiro semestre. 

Expectativa – Com base nesses dados, a expectativa é de que ocorra um novo recorde em movimentação de cargas em 2021.

Do ponto de vista comercial, o fluxo total de comércio via Porto Seco de Foz do Iguaçu, no primeiro semestre de 2021, apresentou crescimento de 44,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

O valor movimentado foi de aproximadamente 2,6 bilhões de dólares, sendo cerca de US$ 1,5 bilhão oriundo de exportações e US$ 1,1 bilhão proveniente de importações.

Importação – Os gêneros mais importados foram peixes, frutas, leite, alho, azeitonas, feijão, farinha de trigo, alumínio, óleos, ferro, têxtil, arroz, trigo, milho e soja. Os principais gêneros exportados foram derivados de celulose, plásticos, fertilizantes, maquinários agrícolas, veículos, peças, aço e madeiras.

Mais vagas – Para fazer frente ao crescimento comercial, a Receita Federal aumentou o número de vagas de veículos no Porto Seco de Foz do Iguaçu, ampliou o horário de funcionamento do scanner, viabilizou a recepção de caminhões em fila dupla na Ponte Internacional da Amizade e estendeu os horários de trabalho nas aduanas.

Com isso, apesar do expressivo crescimento da movimentação de cargas, o tempo médio de permanência de cada veículo no pátio diminuiu. Hoje, é 11% menor se comparado ao período pré-pandemia.

As ações deixaram o fluxo de mercadorias mais dinâmico, possibilitando que o Porto Seco de Foz do Iguaçu, o maior da América Latina no quesito movimentação de cargas, libere as cargas com  mais rapidez.

Com informações da Receita Federal 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *