ArgentinaBrasilFoz do Iguaçu

Pesquisadores passam a monitorar a onça Indira no Parque Nacional de Iguaçu

A captura e o aparelhamento da onça ocorreram na terça-feira (8). (Fotos: Rogério Cunha/Divulgação)

Capturar onças-pintadas e monitorá-las por meio de colares aparelhados com GPS e transmissão por satélite é um grande desafio, somado a tantos outros que pesquisadores e gestores do ICMBio vencem, para colocar em prática as estratégias de conservação para essa espécie ameaçada.

Lado a lado com muitos parceiros de instituições nacionais e internacionais, os pesquisadores capturam os animais para  avaliar as condições corpóreas e de saúde deles.

O aparelhamento, ajuda a entender a movimentação na mata, determinar o uso do espaço e como cada animal estrutura o próprio território e as atividades diárias, entre muitos outros fatores importantes à sua sobrevivência.

(Foto: Projeto Onças do Iguaçu/Divulgação)

Captura – Neste início de março foi realizada uma campanha binacional para a captura de uma onça-pintada. A ação possibilita entender a dinâmica da espécie no Parque Nacional do Iguaçu, um dos mais importantes redutos para a espécie na Mata Atlântica.

O Parque Nacional do Iguaçu/ICMBio por meio do Projeto Onças do Iguaçu/Instituto Pró-Carnívoros e o Projeto Yaguareté da Argentina, organizaram a campanha, em parceria com o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP) do ICMBio. Participaram da campanha também, veterinários do Refúgio Bela Vista-Itaipu Binacional e do Parque das Aves.

A missão da expedição foi a captura de Indira, uma fêmea com cerca de quatro anos de idade, que o Projeto Onças do Iguaçu acompanha desde que era bebê. Em 2020 a Indira atingiu a maturidade sexual e foi registrada com o filhote Aritana. A dupla é vista junta com frequência.

A fêmea passou a ser registrada sem a mãe, a Atiaia, quando tinha apenas um ano, fase em que as jovens onças ainda dependem das mães para aprenderem, serem protegidas, sobreviverem. Mesmo sozinha ela persistiu, chegou à idade adulta e hoje cria o filhote de cerca de um ano e meio de
idade.

Recentemente foi observada com um macho e a suspeita é que ela esteja prenha novamente.

Indira, símbolo da força feminina, foi capturada no Dia Internacional da Mulher, pela equipe binacional e agora será monitorada hora a hora, pela equipe do Projeto Onças do Iguaçu e pelo ICMBio/CENAP.

A onça pesou 40 kg e teve a saúde avaliada. De acordo com os pesquisadores, ela está saudável.

Após se recuperar do anestésico, Indira retornou à mata, monitorada. As informações
fornecidas por Indira serão utilizadas para compor diversas estratégias para a conservação dela, de seus descendentes e outras onças de toda Mata Atlântica.

Com informações do Projeto Onças do Iguaçu 

2 comentários
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.