Paraguai

Paraguai tem segundo dia de mobilizações devido ao aumento no preço dos combustíveis

Protestos são registrados em diferentes partes do país, com caminhoneiros e outros trabalhadores rodoviários. Todos os setores afirmam que “não podem mais trabalhar”. Último aumento ocorreu em fevereiro. (Foto: Aduana/Paraguai/Reprodução)

Desde ontem (14), centenas de trabalhadores saíram às ruas e rodovias do Paraguai para exigir que o Governo tome medidas para reduzir o preço do combustível, que em pouco mais de um ano subiu G. 2.300 por litro, o equivalente a R$ 1,67.

O aumento constante dos combustíveis colocou em xeque os lucros dos trabalhadores de deliveries e plataformas alternativas, além de elevar o custo operacional dos caminhoneiros. Esses são os setores que iniciaram as manifestações.

Como resultado do aumento, os preços da cesta básica também subiram, razão pela qual muitas famílias paraguaias se encontram em situação de vulnerabilidade econômica.

“Não podemos mais trabalhar”, foi o denominador comum das queixas de vários dos manifestantes que falaram nos diversos meios de comunicação. Todos aguardam respostas do Governo.

O Poder Executivo propôs, inicialmente, a criação de um fundo, por meio de lei, para amortecer o impacto dos aumentos de combustíveis, especialmente o diesel comum. No entanto, é um processo que ainda depende do Congresso.

Posteriormente, foi proposto aos caminhoneiros e aos trabalhadores de plataformas alternativas, um  cartão Petropar com G. 400 a menos por litro (menos de R$ 0,30), mas a proposta foi rejeitada por ambos os setores, colocando o interesse geral dos cidadãos em primeiro lugar.

Na manhã desta terça-feira (15), os caminhoneiros decidiram fazer cortes intermitentes na rodovia PY 02, na altura do autódromo Rubén Dumot, na cidade de Capiatá. Moradores apoiaram o fechamento da via.

Assim como aconteceu na rota PY02, outro grupo de caminhoneiros tomou a mesma medida na cidade de Limpio, onde vem fechando a rodovia por 10 minutos a cada hora. Dezenas de caminhoneiros também se aglomeraram na rotatória do Itá. Em vários pontos do Departamento do Alto Paraná também houve manifestações de caminhoneiros, taxistas e outros trabalhadores rodoviários.

(Foto: La Clave/Reprodução)

Alto Paraná – Em Ciudad del Este, foram registrados protestos no microcentro e bloqueios intermitentes da Ruta PY02, e da Ruta PY07 (na rotonda del Área 1), além de manifestações no km 10.

Outros pontos são em Minga Guazú (km 16 e km 30), Santa Rita, Itakyry, Juan E. O’leary, Santa Fe del Paraná y Minga Porã.

Na Ponte da Amizade o trânsito de veículo é parado a cada 20 minutos e liberado após outros 20 minutos, de maneira intermitente. Ao meio-dia deverá ser realizada nova reunião em Asunción, para tentar resolver o problema. 

Quer verificar o movimento na aduana de Cidade do Leste, no Paraguai, e em outros pontos de fronteira do país vizinho? É só acompanhar pelo site do governo paraguaio, que transmite as imagens ao vivo. O endereço é aduana.gov.py/dna/online.

Com informações do Última Hora e do La Clave

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.