BrasilFoz do Iguaçu

Energias Renováveis: Consórcio PTI-CIBiogás vai acelerar Hidrogênio Verde no Brasil

As instituições têm como objetivo fomentar a introdução do hidrogênio verde na economia brasileira por meio da inovação aberta no país. (Fotos: Kiko Sierich/PTI/Divulgação)

A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK Rio), divulgou o resultado da chamada-pública de Promoção da Inovação do Programa de Hidrogênio Verde e Power to X no Brasil.

O Consórcio PTI-CIBiogás, constituído pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e Centro Internacional de Energias Renováveis e Biogás (CIBiogás), foi a instituição vencedora. A formalização desta parceria foi realizada nesta terça-feira (15), em Foz do Iguaçu (PR), nas dependências da Parque Tecnológico Itaipu, com a presença de autoridades das respectivas entidades.

O propósito da Chamada-Pública foi o de contratar uma Aceleradora para apoiar a equipe da AHK Rio neste projeto, usando a expertise e rede de contatos para promoção da inovação e o fortalecimento e soluções para geração, distribuição e aplicação de Hidrogênio Verde no país.

Decisão – O consórcio vencedor atendeu aos requisitos técnicos e financeiros estabelecidos pela AHK Rio, destacando-se pela composição do quadro técnico e portfólio de projetos focados em energias renováveis, bem como a expertise na aceleração em soluções de empreendedorismo e inovação.

De acordo com Ansgar Pinkowski, gerente do departamento de Inovação, Energia e Sustentabilidade da AHK Rio, as instituições selecionadas têm notoriedade comprovada pela contribuição histórica das energias limpas no Brasil há décadas.

“O consórcio vencedor mostrou solidez no processo de inovação aberta e sua experiência em energias renováveis nos deixou confiantes de que toda a expertise reunida irá fortalecer as estratégias do Programa de Hidrogênio Verde e PTX no Brasil”, afirma.

Consórcio PTI-BR-CIBiogásConsórcio criado especificamente para concorrer à Chamada-pública em questão, PTI e o CIBiogás, historicamente desenvolvem ações em conjunto no que tange a temática das energias renováveis, como por exemplo a aplicação do biogás para descarbonização de processos produtivos.

O PTI atua há mais de 10 na área de Hidrogênio, com estudos voltados ao Hidrogênio Verde. General Eduardo Garrido, diretor superintendente do PTI, menciona que a partir de agora um novo passo é dado para que o Hidrogênio Verde avance no Brasil.

“O Parque Tecnológico Itaipu, enquanto Instituição de Ciência e Tecnologia, desenvolve pesquisa e inovação em diversas frentes. Agora, conectado ao tema do hidrogênio, onde atuamos com solidez há mais de 10 anos, iremos unir nosso outro propósito, que é a geração de negócios, apoiando o mercado de startups ao incentivar novos projetos voltados à temática”.

Segundo Garrido, “participando do Programa de Inovação em Hidrogênio Verde, o Consórcio PTI-CIBiogás visa desenvolver uma cadeia de hidrogênio de forma estratégica, e posicionar o País como protagonista de estudos em Hidrogênio Verde em âmbito mundial”. O diretor lembra ainda que as duas temáticas levantadas na Chamada-pública da AHK Rio, transição energética e descarbonização, são atendidas pelo PTI.

Para o diretor presidente do CIBiogás, Rafael González, a Alemanha está na vanguarda mundial no desenvolvimento e na aplicação de tecnologias em energias renováveis.

“Há anos aprendemos com os alemães métodos para produção de energia limpa. Agora chegou a hora de fortalecermos a nossa parceria para o avanço estratégico do Hidrogênio Verde no Brasil.”

O pilar de inovação do Programa de Hidrogênio Verde e Power to X no Brasil visa fortalecer o Ecossistema Brasileiro de Pesquisa, Desenvolvimento, Inovação e Empreendedorismo, contribuindo para o avanço do Hidrogênio Verde no Brasil, e tais instituições têm como missão de criar e executar o programa de ideação e aceleração para Entusiastas, conduzir as chamadas para instituições de P&D e Universidades, bem como a organização e condução de eventos online e/ou presencial no âmbito do programa.

Hidrogênio VerdePara mitigar as mudanças climáticas, a descarbonização do setor energético é essencial. O Hidrogênio Verde, gerado a partir de fontes limpas de energia, é uma das principais alternativas para a diminuição dos gases do efeito estufa (GEE) da matriz energética global. Alinhado a isso, o governo brasileiro se comprometeu em reduzir suas emissões em 37% até 2025, e em 43% até 2031. Apresentando também, metas ambiciosas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em 55% até 2050.  

Nesse sentido, o hidrogênio verde tem potencial para conter os efeitos nocivos das emissões de carbono, já que se constitui numa fonte de energia limpa.

O Brasil já possui mais de 80% da sua matriz elétrica proveniente de energias renováveis, ocupando, por esse motivo, o primeiro lugar entre os países em produção de energia limpa. Isso se dá, principalmente, às suas características geográficas e climáticas que, por sua vez, também habilitam o potencial do país para se tornar um dos líderes globais em Hidrogênio Verde, uma das principais apostas para redução do uso dos combustíveis fósseis.  

Com Assessoria de Imprensa AHK Rio

Um comentário
  1. CIBiogás utilizará expertise em P&D no consórcio focado em inovação com Hidrogênio Verde – Cris Loose #Compartilha

    […] Na intenção de contribuir com a evolução das iniciativas voltadas ao hidrogênio no Brasil, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK Rio), o Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) e o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), irão desenvolver um Programa de Inovação pertinentes em Hidrogênio Verde. […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.