Paraná

Justiça determina que empresa pague passagem de tutor e de cachorro, que foi impedido de viajar com o dono em Cascavel

Tutor do animal mora no Espírito Santo. (Fotos: RPC Cascavel/Reprodução)

A Justiça determinou que a empresa de ônibus Pluma pague a passagem de ida e de volta para que Claudeir Costa dos Santos, que é dono do cachorro Thor, possa buscar ele em Cascavel (PR).

O homem, que mora no Espírito Santo, veio para o Paraná em fevereiro deste ano em busca de um emprego. Como não deu certo, ele decidiu voltar pra casa.

Sem dinheiro, Claudeir conseguiu a passagem de ônibus para ele e para o Thor com ajuda do Centro POP de Cascavel. Mesmo tendo tudo que era necessário para levar o cão, a empresa se recusou a levá-lo, alegando que Thor era muito pesado.

Atualmente, o animal está em um abrigo para animais em Cascavel à espera do dono.

O que diz a decisão – Na decisão expedida na sexta-feira (6) a Justiça determinou que empresa fosse intimada pessoalmente e que cumprisse o determinado – passagem e hospedagem de ida e volta para o homem e o cachorro – em 24 horas.

Em caso de descumprimento, a empresa seria impedida de emitir passagens, através do acionamento da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em todo território nacional. A decisão ainda previa o pagamento de multa diária de R$ 5 mil.

Decisão da Justiça não cumprida – Em abril deste ano, Claudeir conseguiu na Justiça o direito de viajar com o animal, mas conforme a advogada Evelyne Paludo, da ONG Sou Amigo, a decisão não foi cumprida.

“Já tinha um decisão anterior determinando que a Pluma fizesse esse embarque no prazo de cinco dias da intimação da empresa, e quando terminou o prazo, a empresa entrou com recurso só para ganhar tempo mesmo. Em razão disso nós fizemos um novo pedido pra aumentar a multa e também as formas de coerção,” explica a advogada.

Evelyne e Claudemir se conheceram quando ele procurou por ajuda na ONG em que ela atua para auxiliar na situação.

A advogada relatou em entrevista à RPC, em abril deste ano, que a empresa de ônibus teria dito que Thor ficaria com um funcionário da companhia até a situação se resolver. Porém, segundo ela, o cachorro ficou solto e se perdeu.

Lá no Espírito Santo, Claudeir soube que o cão estava perdido e começou a procurar pelo animal, acionando a ONG na qual Evelyne trabalha. Thor foi encontrado perto da rodoviária.

Em abril, a Vara de Direito do Consumidor definiu que “não existe qualquer indicação de limitação de peso ou tamanho da caixa de transporte que impedisse o embarque do animal Thor”.

Saudade do Thor – Desde que foi impedido de embarcar com o animal na rodoviária de Cascavel, Claudemir só vê o companheiro por chamadas de vídeo. Ele relata que tem sido bem difícil a rotina sem Thor.

“Nem dormir, eu dormi. […] Me lembro disso tudo que tenho com ele. De madrugada, as vezes, eu acordo até chorando. […] quero encontrar meu cachorro e voltar a minha vida normal, porque a minha vida parou, em todos os sentidos”, descreve emocionado o tutor sobre a saudade após mais de dois meses sem ver o amigo.

Com informações do G1-PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.